domingo, 14 de outubro de 2007

Futebol poético


Hoje o meu dia amanheceu com poesia. Futebolística.
O comentador desportivo da televisão debitava estas pérolas de sensibilidade poética, verdadeiras trouvailles dignas de um clássico: "Mas a bola negou-lhe o intento, e preferiu o ferro", ou " Na segunda parte, o dois a zero ainda pairava no ar", ou ainda "Surgiu da bruma do meio-campo, imparável".
Estas foram só algumas, as que consegui fixar. Escrevo-as aqui para memória futura, ou para fazer um brilharete com elas quando quiser escrever um poema. Qual Rimbaud, qual quê!...

1 comments:

Luis disse...

É extraordinário ... merece, de facto, que se perca algum tempo na recolha destes apontamentos semânticos. Será que eles têm uma espécie de formação? Entre Misters e plantéis .... a coisa é de ir às lágrimas. Com tranquilidade, obviamente.