terça-feira, 28 de agosto de 2007

Lua - 1, Marte - 0


Sinto-me roubada. Estavam prometidas duas luas para hoje e só vejo uma no céu. Linda, redonda e brilhante, mas só uma. Misteriosa, mas só uma. Perturbadora de tão cheia, mas só uma. A sussurrar-me inconfessáveis ousadias, mas só uma.
Há mais de um mês que me chegavam e-mails a recomendar que não perdesse o espectáculo, porque não voltaria a vê-lo, nunca mais, na minha vida (a não ser, claro, que ainda me mude para o Tibete e as autoridades chinesas me autorizem uma reencarnaçãozinha).

Em boa verdade, a segunda lua prometida não era bem uma lua, era Marte. O que tornaria tudo ainda mais interessante: os dois símbolos do feminino e do masculino, reinando nos céus em uníssono e em plena igualdade. Mas nada feito. Os homens não querem nada com mistérios, e por isso Marte não se dignou aparecer. A noite de lua cheia - essa mágica noite que só nós, mulheres, entendemos - continua feminina. Como sempre.

2 comments:

African Queen disse...

Olá Ana. Passei por cá para agradecer a inclusão do meu blog e gostei muito do seu por isso vou ficar cliente :).
Também fiquei muito contente por saber que houve mais gente esta noite, cheia de expectativa, a olhar para o céu. Cheguei a pensar que eu e o meu amigo eramos os únicos tontos, armados de binóculos e tudo que se tinham dado ao trabalho de ir até um ponto alto da Sé ver o fenómeno astrológico. Um sms de outro amigo a dizer que tinha sido uma notícia falsa desfez o sonho... valeu o passeio por alí à meia noite, numa noite quente e cheia de luz a ver o Douro e a ponte D. Luís, que é tão lindo com uma como com duas luas :).
Um abraço

ana vidal disse...

Seja bem vinda, AQ.
As suas histórias são fascinantes e muito bem escritas. Vou voltar sempre, para as ir lendo.

Quanto às duas luas, não sabia que a notícia era falsa. Mas olhar o céu nunca é tempo perdido, pois não?

beijo
ana