domingo, 13 de janeiro de 2008

A eterna inocência


Quem ama nunca sabe o que ama,
nem sabe porque ama,
nem o que é amar.
Amar é a eterna inocência,
e a única inocência é não pensar.
Alberto Caeiro
(Imagem: "Os Amantes" de René Magritte)

15 comments:

African Queen disse...

:) Primeiro boa música, depois boa poesia e um dos meus pintores preferidos... fiquei abastecida de beleza para o resto do dia!
Já agora... deixa-me só dizer-te que eu tenho andado por aqui, a cuscar regularmente, só que estava com problemas na rede e não conseguia abrir as tuas caixas de comentários. Agora já posso :)!
Beijinhos! e continua a brindar-nos com coisas bonitas... (ok eu sei que o Sócrates e a Hillary estão lá em baixo... mas depois de Pessoa e de Magritte quem é que quer saber deles?! :)

La Niña disse...

Esta tocou diteitinha no meu coração e tu sabes bem porquê! - "Eu não tenho filosofia: tenho sentidos."

Parece mesmo escrito para mim! A maravilha da poesia é esta capacidade de a podermos reiventar a cada dia nas nossas vidas! De a reescrevermos com a nossa história e de a encaixarmos nos nossos pedaços de vida! Lembrei-me de um poema de Gian Franco Pagliaro que podes ler e ouvir aqui!

beijinhos

Franz-Josef von Österreich-Ungarn disse...

Não seria natural
Só vagamente possível
E ainda assim pareceu-me urgente
Foi como que transcendente
A metafísica sensual
Cuja triste melodia
E bucólico pulsar
Tornaram exequível
A megalomania de te amar

av disse...

Queen,
Já tinha saudades de ver-te por aqui! Ainda bem que acertei com os teus gostos, que são parecidos com os meus.
Um beijo

Niña,
É verdade: a boa poesia é aquela que parece ter sido escrita para nós porque se aplica à nossa vida em certos momentos. A do Pessoa é eterna, aplica-se sempre.
Vou lá espreitar o teu poema, obrigada.
Beijinhos

Franz-Josef,
Seja bem vindo. Parece que temos mais um poeta nesta Porta. Não sei dizer grande coisa na sua língua natal, mas o contrário já não é verdade. Belas palavras. E, já agora, deixe que lhe diga que o amor nunca é megalómano. A não ser que se apaixone pela rainha de Inglaterra, e mesmo assim... why not?

jayme disse...

Sempre sábio, esse português.

Anónimo disse...

Permita-me uma correcção. O poema que apresenta não é de Fernando Pessoa, o ortónimo, mas sim de Alberto Caeiro, o heterónimo.

Parece que não tem importância, mas tem. Enquanto Caeiro é um apologista da recusa do pensamento porque, para ele, o homem não é mais que uma flor ou um rio, e se estes não pensam, por que motivo deverá o homem pensar? Aliás, a recusa do pensamento é afinal a inocência. Caeiro é um heterónimo contraditório, mas isso é outro assunto.
Pessoa, o ortónimo, é aquele que pensa. Ele sabe que o pensamento faz sofrer, mas o que é que ele pode fazer? Podemos encontrar a tentativa de resolução no seguinte:
(...)
Ah, poder ser tu, sendo eu!
Ter a tua alegre inconsciência,
E a consciência disso!
(...)
E o problema fica por resolver, porque tal é impossível.

Provavelmente, Caeiro será uma "possível" solução.
(...)
O único sentido íntimo das cousas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.
(...)

Gosto de visitar o seu blogue.
Fernando

av disse...

E eu gosto de tê-lo por cá, Fernando (não é o próprio Pessoa, não?...). Obrigada pela correcção oportuníssima, que será já atendida. Tem razão, Caeiro e Pessoa (o ortónimo) não são o mesmo. Neste caso dou razão ao Caeiro, porque acho, como ele, que o amor não é para ser pensado. É para ser sentido. Mas nem sempre nos podemos dar a esse luxo(porque é um luxo não pensar), não é?


Jayme, que bom ver vc por cá outra vez! A sua glosa ao "poeta fingidor" é inesquecível. Um dia destes ponho-a aqui outra vez. Volte sempre.

barb michelen disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

av disse...

Caro "barb",

já conheço esse seu paleio de outros blogs, sempre a caminho do aeroporto. Não nos conhecemos de lado nenhum nem trocámos nunca uma palavra, sequer. Não sou de censuras nem de apagar comentários, mas não quero publicidade encapotada aqui. Por isso, apanhe lá o avião de uma vez por todas e não volte. A não ser que tenha alguma coisa de mais interessante para dizer.

miguel disse...

boa resposta À "barb", Ana! eheheh

JP disse...

Belo Poema do Tio Alberto Caeiro aka Álvaro de Campos aka Fernando Pessoa aka Ricardo Reis aka Bernardo Soares.

Bem a propósito de heterónimos, o "Eldorado" chega ao post nº200 em plena crise de identidade.

Ler para crer.

Beijos.

samuel disse...

Cara AV

Venho a ver e ler o blog desde "lá de baixo" e realmente tenho que passar aqui mais vezes... até se tornar um hábito.
Este blog faz bem!

Abraço.

av disse...

Obrigada, Samuel. Esse é talvez o maior elogio que já fizeram a este blog: fazer bem, seja ao que for. Também tenho andado afastada do Cantigueiro, mas hei-de voltar. Ainda hoje lá passo.

JP, o post nº 200 é fantástico como todos os outros, ou ainda mais. Estás como o vinho do Porto, por isso deixa-te de crises de identidade!

JuliaML disse...

Caeiro, o da alma limpa!

Ah, tenho que a visitar mais vezes,sim!

av disse...

Caeiro sempre, Júlia!
E volte sempre, claro.