sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Alfredo Keil e a República

«No centenário da sua morte, surgem a lume algumas verdades: que Alfredo Keil nunca foi republicano, que não era um pintor sofrível e antes de grande qualidade, um músico elegante e empenhado e que A Portuguesa foi um acaso, um feliz acaso mas um acaso!»
Notícia da Lusa, que acrescenta:
«Alfredo Keil, autor do Hino Nacional, cujo centenário da morte se completa quinta-feira, foi um "homem genuíno do século XIX, pela sua formação cultural", afirmou à Lusa a historiadora Ana Xavier, uma estudiosa da sua obra. "Ele fez todo o percurso de uma figura genuína do século XIX, nomeadamente a viagem que encetou pelas principais cidades europeias, além da sua formação", disse a investigadora.
Alfredo Keil foi "um homem programático, que sabia o queria e que, curiosamente, se torna conhecido por algo que não programou, por um impulso, levado pela reacção nacionalista ao Ultimato inglês [1870]", sublinhou Ana Xavier. "A Portuguesa" foi "absorvida pela República, sem Keil nada ter feito por isso, tanto mais que não há um único elemento que nos indique qualquer referência republicana em si". "A Portuguesa", que rapidamente se tornou popular, foi adoptada como hino nacional em 1911.
Além de "A Portuguesa", Keil foi autor de várias polcas, valsas, peças para piano além de óperas, de que "A serrana" é a mais conhecida, havendo outras que nunca foram levadas à cena no século XX como "Irene" e "Dona Branca". (...) Para o maestro João Paulo Santos, que em 2002 levou à cena "A Serrana" no São Carlos, Alfredo Keil é um compositor que "procurou um idioma nacional para a música".
Mas a par da composição, Alfredo Keil "foi um pintor compulsivo e apaixonado" tendo-se inspirado muito nas paisagens da zona de Sintra, onde tinha casa. Estudou pintura em Munique e Nuremberga e mais tarde em Lisboa. Expôs pela primeira vez em 1875, tendo recebido duas medalhas de bronze. Concorreu à Exposição Universal de Paris de 1878, onde obtém uma Menção Honrosa, e no ano seguinte recebe uma medalha de ouro na exposição do Rio de Janeiro. Em 1890 expõe em Madrid, sendo condecorado com a Ordem de Carlos III. Era um pintor bem aceite na sua época e vivia essencialmente da pintura, embora tivesse fortuna familiar. Em 1890 abre uma galeria em sua casa, que se situava no número 77 da Avenida da Liberdade em Lisboa. "Vendeu quase tudo" e o próprio Rei D. Luís comprou algumas telas para a sua galeria no Palácio da Ajuda, segundo João Paulo Santos. O pintor e compositor oferecerá aliás ao monarca o primeiro volume das suas obras musicais, editado pela Neuparth. (...)
Keil, que começou a pintar aos 14 anos, traz uma técnica diferente e isso mesmo lhe nota o crítico de arte António Enes, aquando de uma das suas exposições. A crítica de arte relativamente a Keil foi sempre "exacerbada", diz António Rodrigues, referindo que o Grupo Leão, dominado por Silva Porto, "preferiu antes ignorar Keil, pelas suas origens românticas". "Podendo ter sido um diletante, até porque era originário de uma família abastada que fez empréstimos à Coroa, o pintor foi essencialmente um artista empenhado na sua sociedade, um incansável trabalhador que com afinco tanto se aplicou na música como na pintura", frisa António Rodrigues, sendo esta opinião partilhada por João Paulo Santos e Ana Xavier. (...)
Uma outra faceta desconhecida de Alfredo Keil é a de coleccionador e museólogo em termos profissionais, tendo chegado a organizar um museu de instrumentos musicais que no final da vida foi disperso. Parte deste espólio integra actualmente o Museu da Música, ao Alto dos Moinhos, em Lisboa. "Além de vários instrumentos, alguns fazendo parte da exposição ao público, há no Museu também várias partituras suas", disse à Lusa fonte da instituição. Esse museu, cujo catálogo foi escrito por Keil, reunia 400 objectos da Europa, África e Ásia. »
Lisboa, 02 Out (Lusa) - excerto

10 comments:

JC disse...

Refira-se que, sendo Keil o compositor da música do nosso Hino, a letra cabe a Henrique Lopes Mendonça.
Entristece-me ouvir cantar o hino (especialmente nos estádios) pelo hiato que cometem quando dizem "nobre po vo na ção valente..." em vez de "nobre po ovo nação valente..."
Irrita-me!

JC

ana vidal disse...

JC
Obrigada pela informação adicional, sempre útil.
Mas... "po ovo", porquê? Acha importante vincar a gastronomia, é isso? :)

Ana disse...

JC,

A Ana Vidal, noutra "casa" que frequentamos, ficou hoje a saber que canto com mais alma o "Hino da Carta", mas como as ocasiões para o entoar são poucas, em muitas outras circunstâncias canto a Portuguesa, e o que mais me irrita é o "hão-de levar-te à Vitória" referindo-se aos avós, quando o que está escrito é "há-de" em referência à voz.

Como graça acrescento, que conheço um neto e três bisnetos do Lopes de Mendonça e asseguraram-me que na letra original se marchava contra os bretões e não contra os canhões, vendo este peixe, pelo preço que mo venderam a mim.

Ana L Costa

ana vidal disse...

Faz mais sentido marchar contra os bretões, Ana. E como já disse na outra "casa", as minhas razões de simpatia monárquica são de ordem estética. A bandeira, por exemplo, era incomparavelmente mais bonita!

JC, não estamos a fazer caixinha. A outra casa é esta: http://baleal.weblog.com.pt
Apareça quando quiser, será tão bem vindo como aqui.

Ana disse...

Ana

Sabe que essa coisa da cor da bandeira, a mim, foi-se-me atenuando por culpa do Gucci.

Um beijinho

Ana L Costa

ana vidal disse...

LOL
Boa malha, Ana!

roteia disse...

Além do mais Alfredo Keil também fotografou. Ele foi, no seu tempo, um homem moderno. As fotografias foram mostradas pela primeira vez na grande exposição que lhe foi dedicada há uns anos atrás na Galeria de Pintura do Rei D. Luís (Palácio da Ajuda).

Ana Vidal disse...

Obrigada, Roteia. Parece que em tudo ele estava muito mais envolvido com a monarquia do que com a república. O que não deixa de ser irónico.

JC disse...

Ana,
Na verdade o ovo aqui não tá com nada! Ainda se fosse nos "Pasteis de Nada"... (talvez "poovo")

Na verdade o "hão-de levar-te à vitória" é outra das que me irrita, tal como a estúpida aceleração da segunda quadra dos "Parabéns a você".

Quanto aos "bretões" em vez dos "canhões" tem razão de ser: afinal a portuguesa não surge como reacção ao vexame que a geração de 70 sentiu com o ultimato inglês?

JC

ana vidal disse...

JC:
Era uma brincadeira, claro.
;)