sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Cafeitona

Quem disse que os alentejanos só gostam de dormir?

No SOL, acabei de ler a mais extraordinária das notícias: nesta era em que a transgenia está na ordem do dia, o Alentejo faz questão de não ficar na cauda da Europa. Sabendo que há que acompanhar os tempos com criatividade e inovação, mas ao mesmo tempo manter a identidade e a cultura que distingue cada região, Campo Maior agigantou-se no ranking mundial e criou uma azeitona com sabor a café (!!!!). Será que vão chamar-lhe Cafeitona?

Não, não é brincadeira. A experiência foi feita e os seus autores vão comercializar o resultado a curto prazo, inundando os mercados com este original produto da região, que acreditam vir a ser um grande sucesso. Por mim, duvido muito. Pergunto-me para que servirá uma azeitona a saber a café: para tomar no fim das refeições? Para juntar ao leite do pequeno-almoço? Mas tenho algumas outras sugestões para estes génios alentejanos, caso me engane:

  1. Salmoriço - chouriço com sabor a salmão.
  2. Lagostigas - migas com sabor a lagosta.
  3. Sushiada - feijoada com sabor a sushi.
  4. Sorbecinho - toucinho com sabor a sorbet.
  5. Sericanga - sericaia com sabor a manga.

Tudo isto, claro, regado com um bom Gintol - um gin tónico com sabor a tintol.

E viva a criatividade à portuguesa!

4 comments:

papalagui disse...

Lagostigas e sericanga devem ser óptimas :-)

JG disse...

Ou Cafetina - Café com sabor a gelatina

Talvez no Brasil tivesse sucesso.

RAA disse...

Melhor, só a receita de bacalhau com morangos (bacangos ou moralhau?) do Gaston Lagaffe!

ana vidal disse...

Conto-vos uma história verídica passada com amigos meus, a propósito disto: uma mãe de família (7 filhos, conta bancária quase a zeros, em plena época pós-revolução de Abril) fez um arroz de bacalhau para o almoço. Como o bacalhau era pouco e o arroz muito para render, desapareceu o bacalhau todo e acabou por sobrar muito arroz. Ela não se atrapalhou: lavou-o muito bem, juntou gemas, açucar e leite e fez um arroz doce para o jantar. Ninguém se queixou...