sábado, 25 de agosto de 2007

Filiações

Perguntam-me porque é que, na minha lista de links, tenho blogs de esquerda e outros de direita. E porque é que, nos meus posts, umas vezes me pronuncio a favor, e outras contra, as ideias de uns e de outros. E perguntam-me qual é, afinal, a minha orientação política.
E agora pergunto eu: porque é que hei-de ter uma? É obrigatório?
Não vou dizer que sou apolítica - tudo é política, afinal - mas sou garantidamente apartidária. Disse-o logo na declaração de princípios que aqui deixei, no primeiro dia deste blog. Gosto de ser livre. LIVRE. Livra!
Será assim tão difícil de perceber? Valorizo actos, ideias e carácteres, e muito mais raramente ideologias e estatutos. Dou preferência a Gente. Apaixono-me por Pessoas e por aquilo de que elas são capazes, em todos os sentidos. Pela capacidade que tantas vezes têm de me surpreender e de me ensinar. Desconfio de Grupos organizados que queiram disciplinar-me o pensamento e os passos. E dou razão a quem acho que a tem em cada momento, seja de esquerda ou de direita, do norte ou do sul, do Benfica ou do Sporting.
Sou individualista e rebelde, eu sei: dificilmente adiro, dificilmente me encaixo, dificilmente acato. Gosto de pensar pela minha própria cabeça, mesmo quando estou errada. E aceito as consequências que daí advêm, nem sempre simpáticas. Mas ofereço e exijo respeito.
Na vida militar, seria um desastre: mataria ou morreria de asfixia, porque a obediência cega não me convence nem me verga. Das utopias, já gosto. Dos improváveis. E até dos supostos impossíveis.
É assim que eu sou. Por isso não me peçam filiações.

4 comments:

Mad disse...

E depois sou eu que tenho mau feitio! Pau neles, maninha!!!

ana vidal disse...

Não é mau feitio, é uma questão de princípio. Não gosto de ser rotulada e muito menos que me obriguem a autorotular-me. Era o que faltava.

papalagui disse...

Posso assinar por baixo? É que é exactamente o que sinto e penso. Parabéns pela reflexão.
Bj
Leonor

ana vidal disse...

Seja bem vinda aos rebeldes anónimos, Leonor. Um dia ainda fazemos nós um partido, mas nesse dia perdemos todos os argumentos. Enfim, não se pode ter tudo!
Um beijo