domingo, 13 de abril de 2008

Feira de Velharias (4)


Cada vez tenho menos paciência para a política e para os políticos. Agradeço-lhes a vocação ou a ambição, porque cada uma delas (ou ambas) os levaram a lutar por lugares que eu detestaria ter que ocupar. E alguém tem que fazer o trabalho deles, isso é inegável. A anarquia pura é uma utopia, bonita mas impensável na prática.
O que me parece é que, mesmo os mais idealistas e bem intencionados, acabam por ter que dançar conforme a música que encontram já a tocar. Os que não se adaptam e se recusam a fazer concessões, tornam-se demasiado incómodos e são convidados a sair do salão, a bem ou a mal.
Mas há os que, realmente, parecem ter nascido para essa vida. Entram a matar e cortam a direito, fazem o que acham ser preciso, a qualquer preço, e têm um (natural?) grau de distanciamento e de insensibilidade aos problemas do comum dos mortais que lhes permite nunca olhar para trás e até, quem sabe, dormir tranquilos.
É o caso do nosso primeiro ministro José Sócrates (um nome de uma enorme responsabilidade, caramba!). Tem a frieza de um cubo de gelo e a arrogância de um César. Chegou a afirmar sobre si próprio, mostrando como se tem em grande conta: «Sou um animal feroz» (Expresso, 24/07/2004). Não sei se é um animal feroz, mas é, pelo menos, ferozmente indiferente.
Eu, que não sei falar politiquês e prefiro a linguagem da poesia, dedico-lhe este magnífico poema de Carlos Drummond de Andrade: "E agora, José?"* , com a romântica ilusão de que o leia algum dia e que ele o faça pensar um pouco no quick step que nos tem obrigado a dançar, quando nem para a valsa temos sapatos...
E AGORA, JOSÉ?

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio - e agora?
Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?
Nota: Descobri, entretanto, que Sócrates nasceu em Vilar de Maçada. Começo a compreender os seus traumas e até entendo que tenha fugido de lá, mas, bolas!, tinha que se vingar em nós??
(* Clique aqui para ouvir o poema, dito pelo próprio CDA)
(Publicado pela primeira vez em 1/6/2007)

16 comments:

Júlia Moura Lopes disse...

Ana,

Numa tarde tórrida de Verão, numa esplanada em Vilar de Maçada, diziam-me lavradores: "o nosso voto ele não tem". :-)

E em Vila Real, onde frequentou o liceu, atiraram-lhe tomates,dizem.


bjo

Cazco disse...

Olá AV.

Primeira vez que opino aqui, mas não é a primeira vez que visito!

Queria dizer que ali na sua frase: "E alguém tem que fazer o trabalho deles..." também poderia se dizer, "E alguém tem que fazer o trabalho sujo..."

Os políticos são iguais em toda parte mesmo, não adianta.

Beijos

cristina ribeiro disse...

Uma maçada, mesmo, a de ter de os aturar nas suas baixezas : se houvesse maneira de os fazer corar por cada uma delas, teríamos a impressão de vermos todos os dias os jogadores do Benfica na televisão...
Beijinho

av disse...

Tu conheces MESMO Vilar de Maçada? Essa tem graça, Júlia! E ainda tem mais graça que não gostem dele também por lá.

Quanto à história dos tomates, nem me pronuncio...

Olá, Cazco. Comentando ou não, é sempre muito bem-vindo.
Acho que todos gostaríamos que o trabalho não tivesse que ser sempre sujo, não é?

Cristina, nem precisavam de corar muito, agora que as fatiotas do Benfica já passaram a cor-de-rosa! Gostei do barómetro.

Beijos

ACT disse...

Eu vou sonhando com o dia em que o salão ficará vazio. É urgente por fim a tanta palhaçada e podermos de novo viver num país livre onde dançar seja opção e não obrigação.

O Réprobo disse...

Querida Ana,
o homem, quando se pretendia uma fera, estava a fazer o que sempre tem feito,desde os debates parlamentares, às cimeiras com a UA que a mais ninguém interessam, aos telefonemas em espanhol macarrónico e às declarações em que se diz "generoso": A TENTAR PROMOVER-SE.
Mas que é coerente, é. Nascido em Vilar de Maçada, adoptou uma governação cheia de vil ar de maçada.
Beijo

Júlia Moura Lopes disse...

Claro que conheço, Ana...

E não julgues que não gostei de conhecer. Adorei as tardes que lá passei, conheci gente simples mas inteligente e bonita. Não julgues que as pessoas por lá são lorpas. Lorpa foi quem nele votou, que comeu gato por lebre.

MariaV disse...

É o mal do nosso país de hoje: estamos "nas mãos" de quem só está A TENTAR PROMOVER-SE, como diz o Paulo. E pior ainda, é que não é só o homem de Vilar de Maçada. É a grande maioria dos políticos e dirigentes... que não sabem ou não mostram saber que a sua missão é servir o país e não servir-se dele.

Meg (sub Rosa) disse...

Sublime!
O poema e a Dichtung.
Beijos e parabéns.
M.

av disse...

Tens razão, Júlia. Vilar de Maçada não tem culpa de ser a terra onde ele nasceu. E se nem os conterrâneos ele comove para lhes sacar o voto, isso só quer dizer que eles são mais espertos do que nós todos. Uma maçada, tudo isto.

Hi, Meggy e Rosa.

Beijinhos

Luísa disse...

Querida Ana, estou inteiramente de acordo. O que me desgosta nesta situação, confesso, é ter de suportar o processo de «sublimação» desses traumas – que é como quem diz a arrogância e os tiques totalitários – sabendo que, com as políticas definidas em Bruxelas, qualquer outro faria o mesmo trabalho (embora, certamente, com mais «doçura»). :-)

av disse...

Ora nem mais, Luísa. Sócrates vai tentar sacar louros de medidas impostas por Bruxelas, como se tivesse tido alternativa e grande autonomia. Aquilo que depende dele - a forma como essas medidas são apresentadas e a adaptação à realidade nacional, para que sejam o menos violentas possível - é o desastre que se vê, de arrogância e total insensibilidade perante os que governa.

av disse...

Paulo, belíssimo e oportuno trocadilho, esse do "vil ar de maçada". É uma mistura que define bem o homem, não há dúvida.

Act, também acho. Dançar tem que ser um prazer, e nada de pares impostos!

Capitão-Mor disse...

Não querendo fazer cosmovisões do futuro...não me admiro que a direita mais radical tenha um grande crescimento nas próximas décadas no nosso país.

PSB disse...

Aos animais ferozes o seu lugar: no zoo, atrás das grades, à vista de todos, para nos deliciarmos a vê-los, ao longe, na certeza de que (já)não podem fazer-nos mal...

pink disse...

These are life and high quality web site available to you to do here, I wish you peace and happiness!
Diese sind das Leben und qualitativ hochwertige Web-Site zur Verfügung, um hier zu tun, ich wünsche Ihnen Glück und Frieden!

plastic:
整形外科,抽脂,隆乳
果凍矽膠,電波拉皮,隆鼻

Food:
chocolate,彌月蛋糕,乳酪蛋糕
巧克力,蛋糕,台中乳酪蛋糕

Accommodation:
MOTEL,汽車旅館,台中汽車旅館

Clothing:
日系服飾,服飾批發,流行服飾

Housing:
法拍屋,法拍

Automotive:
大樓隔熱紙,汽車隔熱紙,隔熱紙

Health:
保健食品,樟芝,納豆

Marriage:
外籍新娘,大陸新娘,越南新娘
外籍新娘,大陸新娘,中國新娘

pet:
柴犬,哈士奇,瑪爾濟斯,拳師犬

Kitchenware:
室內設計,室內設計作品,歐化廚具,廚具
系統櫃,系統傢俱,傢俱,裝潢,廚具工廠

cleaning:
清潔公司,居家清潔

websale:
seo,網路行銷,網路行銷
seo,seo,網路行銷

yoga:
瑜珈,瑜珈教室,瑜珈補習班
瑜珈教學,瑜珈教室,高雄瑜珈