domingo, 11 de novembro de 2007

De A a Z


Se eu tivesse que aprender todas as lições de vida numa hora e meia, assim como numa espécie de curso intensivo e desesperado, escolheria provavelmente o filme "Ryan's daughter", de David Lean. Está lá tudo: o Bem, o Mal e tudo o que há in between, mostrados de uma maneira sublime.
Acabei agora mesmo de revê-lo pela enésima vez, e emocionei-me como da primeira. Ou mais ainda, porque é daquelas histórias que nos ensinam sempre mais qualquer coisa, que têm uma reserva inesgotável de surpresas por revelar. Ou talvez sejamos nós que vamos mudando com o tempo e vendo, com o nosso novo olhar de cada momento, uma realidade diferente. O que sei é que David Lean - embora muito pouco modesto - teve toda a razão quando disse:
"My distinguishing talent is the ability to put people under the microscope, perhaps to go one or two layers farther down than some other directors. I've just begun to dare to think I perhaps am a bit of an artist."

5 comments:

manuel teixeira disse...

..."Ou talvez sejamos nós que vamos mudando com o tempo e vendo, com o nosso novo olhar de cada momento, uma realidade diferente."...

***********************************

Diria que subscrevo, Ana, muito embora 'esta' dê pano para mangas.

***********************************

Bj do Manel

ana vidal disse...

Manel,
Já vi este filme imensas vezes e descubro-lhe sempre alguma coisa que me tinha escapado. Como me acontece, aliás, com todos os bons filmes ou livros. Mas se a minha atenção ou sensibilidade se fixa em pontos diferentes de cada vez que os vejo, então a mudança tem que estar em mim. Certo, caro?

Lia Noronha disse...

Quero ver..e rever....tbém...se faz pensar...faz um bem enorme!!!
te achei na Meg e adorei td por aqui.
Abraços mil!!!

ana vidal disse...

Oi, Lia.
Seja muito bem vinda. Amigos da Meg, meus amigos são!
;)
Se não conhece ainda o filme, não deixe de ver. É um filme antigo e não sei com que título chegou ao Brasil. Aqui em Portugal, a tradução foi literal: "A filha de Ryan".

Um beijo

JuliaML disse...

eu já o vi na vida 3 vezes e incomoda-me (no bom sentido) sempre!

Adorei, é inesquecivel.